Tutoria Online – Considerações sobre as Características do Professor Online

Standard

77997642Depois da leitura do texto de Palloff e Pratt (2011) sobre tutoria online e as características do professor online, bem como ter respondido o questionário propostos pelo professor Eri, aqui estão algumas considerações que teci sobre o tópico:

Em relação ao questionário, achei a ferramenta interessante como uma auto-reflexão para aqueles que já atuam com tutoria online. No meu caso, minha pontuação total foi de 164, o que de acordo com a tabela, eu seria considerada uma especialista/mestre. Na verdade, não me sinto assim. Acho que estamos em constante evolução e sempre aprendendo sobre novas estratégias de moderação, ferramentas digitais para envolver os alunos e incentivá-los a participarem ativamente das atividades propostas.

Minha pontuação ficou distribuída da seguinte forma:
Habilidade técnica – 60
Experiência com ensino e aprendizado a distância – 40
Atitudes em relação ao aprendizado à distância – 38
Gerenciamento do tempo e comprometimento – 26

No texto de Palloff e Pratt (2011), os autores delineam as principais características do professor online, e acho que tenho tido experiências no ensino online de inglês e treinamento para professores em que tento trazer o meu melhor para o meio digital de forma a primeiramente estabelecer uma presença online, encorajar a criação de uma comunidade de aprendizado – gosto do termo utilizado por Seely Brown e Thomas (2011) que falam da criação de “collectives” em vez de comunidade. Os  “collectives” são criados e estruturados em torno da participação, em que identidade e “agency” são fluidos e definidos pela participação individual que se mescla ao coletivo e seus membros se engajam em uma série de práticas comuns – e desenvolver e faciltar cursos online, além de sempre tentar prover um ambiente digital sócio-afetivo-emocional propício para o aprendizado. Temos sempre que lembrar que muitos dos nossos alunos fazando cursos online estão tendo essa experiência pela primeira vez. Então, ao considerarmos o lado humando da interação em meio online estamos já abrindo um caminho para que o aluno se sinta confortável e parte do grupo. Tarefa nada fácil E o fato de ter participado de cursos online e ter tido excelentes coaches que me ajudaram a desenvolver uma mentalidade de cursos online baseados em modelos sócio-construtivistas, tendo também uma pegada conectivista me ajudou muito como facilitadora e designer de experiências online. No entanto, o processo de nos tornarmos professores online bem sucedidos não avança sem o seu grau de desafios pessoais e institucionais.

O que já sabia e ficou confirmado na minha auto-avaliação é que há sempre espaço para melhorias no nosso gerenciamento do cotidiano de um curso online. Administrar bem o tempo para não haver uma grande sobrecarga e também para que você se faça visível é sempre um desafio. Tento ser presente ao máximo para os meus alunos, mas muitas vezes o pêndulo pesou não por falta de acesso ao curso ou feedback para os participantes, mas pelo meu desenho de tarefas que eram muito intensivas no feedback individualizado. Apesar de não ter perdido essa perspectiva da importância de darmos um feedback individualizado para os alunos, devemos pensar também em atividades online que sejam não só interessantes, motivadoras e que puxem pelo raciocínio crítico, mas que também estejam na interseção do viável, desejável e possível. Então, para mim, o grande desafio sempre foi não administrar o pouco tempo online mas a dosagem equilibrada do tempo com os alunos, o que implica também em sempre considerarmos um outro ponto importante abordado no texto de Pratt e Palloff, o bom professor online se faz visível, mas não é o único facilitador do curso. Temos que dar espaço para que os alunos colaborem, tragam recursos adicionais, construam conhecimento colaborativamente e também dêem feedback uns aos outros. E, para isso, precisamos promover tarefas e atividades online que exijam do essa participação ativa e construtiva e não meramente passiva.

Um item interessante que me fez parar para refletir no questionário foi a afirmação de que ” Eu apoio o uso de fóruns como modo de ensino.” Na verdade, acho que muitos dos cursos online subutilizam o grande potencial dos recursos digitais como ferramentas para a interação e colaboração entre o grupo, utilizando-se basicamente de fóruns de discussão e leituras como estratégias de aprendizado online. Há tantas outros recursos que poderiams ser explorados pelos professores online para engajar os alunos, motivá-los a participar e despertar a curiosidade, demandando, inclusive, uma posição mais ativa do aluno como produtor de artefatos digitais.

Acredito que a experiência como aluna e professora online, bem como minha curiosidade e motivação, tenham me feito amadurecer como profissional. No entanto, na área digital, nunca chegamos lá. Há sempre algo novo a ser aprendido e colocado em prática. Para que eu continue crescendo na área de cursos online, preciso continuar desenvolvendo o meu ambiente online de aprendizagem, fortalecendo minhas redes de conexões e interagindo com especialistas na área. Também participar de congressos, seminários e webinar ampliam a gama de recursos e estratégias que posso utilizar na moderação online.

Palloff, Rena M., and Keith Pratt. The excellent online instructor: Strategies for professional development. John Wiley & Sons, 2011.

Douglas, T., and Brown, J.S. A New culture of learning: Cultivating the imagination for a world of constant change. CreateSpace Independent Publishing Platform, 2011.

Anúncios